21 trabalhos de um Mestre de Reiki
Ser Mestre de Reiki pode ser interpretado como uma profissão, um estar, simples e sem trabalho… ou talvez não. A responsabilidade é tão grande quanto em qualquer outra profissão que exija formar outros, a preparação, avaliação do antes, durante e depois, o investimento nos materiais, a constante prática, renovação do conhecimento e garantia das condições óptimas do canal energético, são alguns dos afazeres de um Mestre de Reiki. Muito rapidamente identificamos os 21 trabalhos de um Mestre de Reiki:

  • Preparação e revisão do manual – há sempre algo mais a acrescentar ou modificar;
  • Impressão dos manuais – ir à loja, encadernar em casa ou fazer em livreto e agrafar;
  • Preparação da folha de registo dos alunos, das cadernetas, dos inquéritos de qualidade;
  • Confirmação dos alunos para o curso;
  • Envio das recomendações para a semana que antecede o curso, assim como para o próprio dia do curso;
  • Meditar sobre o grupo a quem dará o curso;
  • Praticar auto-tratamento todos os dias;
  • Reflexão constante sobre o ensino e a prática;
  • Dar acompanhamento, através de workshops ou partilhas;
  • Preparar com antecedência os conteúdos teóricos e a prática dos workshops;
  • Avaliar cada aluno, segundo o seu saber e prática;
  • Apoiar em todas as questões, presenciais ou por email;
  • Estudar e praticar novas técnicas de Reiki para avaliar como as introduzir nos cursos;
  • Investir nos materiais didáticos – apresentações de powerpoint, diagramas ilustrativos;
  • Actualizar as informações nos seus meios de comunicação – facebook, blog, etc;
  • Investir em novos materiais de apoio aos alunos – gravações de meditação, fichas para realização de terapias, videos sobre técnicas, etc;
  • Investir financeiramente em equipamentos que permitam melhorar os cursos e o trabalho decorrente dos mesmos – computador, gravador de voz, projector, marquesas, quadro, impressora laser, agrafador a4, livros sobre Reiki e outras matérias relevantes à formação;
  • Meditar e praticar constantemente os cinco princípios de Reiki;
  • Reavaliar os materiais do curso à luz das novas aprendizagens e das partilhas com outros Mestres e alunos;
  • No final do curso, preparar e imprimir os certificados;
  • Avaliação de todo o trabalho realizado com os alunos, meditação sobre o estado interior, sobre o Ser Mestre.

Esta lista é apenas uma enumeração simples de algumas das tarefas que nos competem fazer, muitas outras facilmente surgem, dependendo do empenho e resolução do Mestre. Podem ler mais algumas ideias no  Gokukaiden – Referencial de Apoio a Mestres Formadores um guia criado para apoio aos nossos associados.

Acima de tudo, Ser Mestre, é uma forma de estar e Ser que se vai desenvolvendo ao longo da vida, não é um estatuto, nem um título. Requer muito trabalho diário, interior e exterior, escutar e apoiar, crescer com o todo que nos envolve.

2 – A onda
Um momento é tempestuoso
O momento seguinte é calmo
A onda no oceano
É na verdade
Como a existência humana
(Poema do Imperador Meiji)