post-frank-arjava-petter-entrevista

Em entrevista ao Reiki em Portugal, o consagrado Mestre de Reiki Frank Arjava Petter fala da forma como o Reiki se tem difundido pelo mundo, analisa a postura dos portugueses perante o Reiki e ainda defende a profissionalização de terapeutas e mestres.

Ensina Reiki a muitos alunos espalhados por todo o mundo. Qual é a sua percepção e opinião acerca da difusão que actualmente se verifica desta terapia complementar?

As pessoas são iguais em toda a parte. Todos nós sofremos da mais fatal de todas as doenças: não sabemos quem somos. Consciente ou inconscientemente, as pessoas são atraídas para o Reiki porque intuem que o mesmo pode curar essa doença. A palavra Reiki originalmente significa “energia da alma”. Para o Xintoísmo, a alma reside no centro do nosso cérebro, onde os chacras da coroa e da terceira visão se encontram. Este centro está naturalmente ligado à fonte cósmica. Todavia, no decurso da evolução ficámos cada vez mais centrados no nosso ego e, assim, perdemos a nossa ligação com o divino. Numa sintonização de Reiki (em japonês Reiju, que significa literalmente “dar ou conceder a alma”), correctamente realizada, este centro é despertado do seu sono profundo e o iniciado volta a ligar-se ao Universo. Uma vez conectado, cabe a ele permitir que o Reiki purifique o seu coração e a sua mente. É isto que todas as pessoas têm em comum: todos aspiramos por unidade, amor e contentamento. E o Reiki permite isto. Tudo o que você tem de fazer é dizer Sim!

Já esteve em Portugal anteriormente com o objectivo de ensinar Reiki. Qual é a sua perspectiva em relação à prática no nosso país?

Fiquei com a ideia de que os portugueses têm um coração aberto, são sequiosos por aprofundar os seus conhecimentos sobre Reiki e que estão cansados de professores que não vivem de acordo com o que ensinam. Pareceu-me que vocês aspiram por uma atitude de amor e bondade, livre de julgamentos, o que coincide com o verdadeiro espírito do Reiki.

As suas investigações são famosas e todos lhe devemos os conhecimentos que trouxe até nós sobre o Reiki tradicional. Será que nos pode explicar o que tem andado a pesquisar recentemente?

O Reiki teve início com a iluminação que Sensei Usui experimentou no Monte Kurama em Março de 1922. Quando regressou à vida normal procurou transportar consigo essa iluminação naquilo que veio depois a ensinar. Assim, quanto mais percebermos sobre aquilo que Sensei Usui ensinava, maiores serão as probabilidades de que a semente da iluminação entre nos nossos corações. O Reiki não se trata de curar uma dor de cabeça. Se fosse só isso, seria melhor tomar uma Aspirina! Reiki é sobre transformação, auto-realização e tornarmo-nos unos com o Universo. Esta é a razão por que eu passei 20 anos da minha vida a investigar o Sensei Usui e o seu trabalho.

Qual pensa que deve ser o caminho certo para se conseguir a profissionalização de terapeutas e mestres?

Sugiro que nos sentemos todos juntos para decidirmos sobre padrões mínimos de ensino, os quais poderemos depois entregar os nossos governos para que aprovem. Também defendo que ensinar todos os níveis num único fim-de-semana, adicionar novos símbolos ou fazer sintonizações à distância, entre outras práticas, são coisas que devem ser descontinuadas. O Reiki é impressionante na sua simplicidade e clareza, e seria uma pena torná-lo complicado apenas porque as nossas mentes não conseguem relaxar ao colocar as mãos em alguém e esquecer tudo o resto. Agora sabemos o que tanto o Sensei Usui como o Sensei Hayashi ensinavam; e isso deve ser a nossa norma de orientação.

Não vê, então, como importante a evolução do Reiki através de novas técnicas e outros conhecimentos?

Existem muitos “tipos” de Reiki que eu não considero como sendo Reiki de forma nenhuma. Se alguém descobre uma nova técnica, ou desenvolve um novo trabalho energético, porque é que lhe vai chamar Reiki? Por que é que não lhe dá um nome diferente? Parece-me que há aqui razões financeiras.
De acordo com a minha experiência, a evolução do Reiki acontece nas mãos do praticante. Se alguém coloca todo o seu coração no Reiki, devotando-se inteiramente à prática como se a sua vida dependesse disso, então o Reiki irá purificar o seu coração e transformá-lo. A transformação é a única mudança que vale a pena.
Claro que é possível que alguém se depare com uma nova técnica que se revela útil. Nesse caso eu sugiro que a pratique sozinho durante um ano ou dois e só depois deverá partilhar, mas começando por amigos próximos em primeiro lugar; estes depois verão se a técnica resulta para eles e, se assim for, então poderá ser útil a outros. Mas quando esta técnica for ensinada sugiro que o professor fale aos alunos sobre a sua origem, deixando claro que não faz parte do Reiki tradicional.

Na sua opinião quais são as principais diferenças entre as práticas do Mestre Mikao Usui e do Mestre Hayashi?

As diferenças são muito poucas. Se olharmos para os certificados de Reiki que o Sensei Hayashi passava encontramos lá escrito “Shin Shin Kaizen Usui Reiki Ryoho”, o que significa “para a melhoria do corpo e da mente/espírito Usui Reiki Ryoho”. Se ele tivesse alterado a técnica ter-lhe-ia chamado Reiki Hayashi. Mas essa não é uma prática que se coadune com os valores tradicionais de um japonês. Com amor e respeito pelo seu professor, ele ensinou exactamente o que aprendeu, sem alterar. Na nossa cultura ocidental, a coisa mais importante é o “Eu”, a personalidade, o ego. Queremos ser os melhores, os primeiros, estar no topo. O Oriente não conhece esta doença. O facto de que alguém possa alterar o processo de sintonização, ou invente um novo, é impensável de um ponto de vista tradicional pela simples razão de que isto aponta para uma única coisa: para o ego.
Contudo, foram feitos alguns ajustes menores. Sensei Hayashi era médico e se nós compararmos o manual que ele dava aos seus alunos com o de Sensei Usui verificamos que há ligeiras diferenças. Por exemplo, Sensei Usui sugeria o tratamento de certas vértebras enquanto Sensei Hayashi se focava mais nos órgãos internos.
Aqueles que fazem tratamentos com frequência irão achar que Sensei Hayashi desenvolveu o seu estilo individual de tratar os seus clientes. O único aspecto técnico que Sensei Hayashi mudou foi o uso de mesas de massagem (denominadas Reiki Dai) enquanto Sensei Usui trabalhava no chão, em tatamis. Todas as outras alterações foram introduzidas pela Sensei Takata e seus estudantes. Na verdade, aquilo que a Sensei Takata ensinava estava muito perto do que eu aprendi com Chiyoko Yamaguchi, portanto, temos de afirmar que provavelmente a maior parte das diferenças foram da responsabilidade dos alunos da Sensei Takata. Isso explica o grande fluxo de pensamentos new age para dentro da prática de Reiki, nenhum dos quais lhe pertencia originalmente.

Actualmente, de que forma os japoneses vivem, praticam e ensinam Reiki? É muito diferente da forma como nós, ocidentais, o fazemos?

A maneira tradicional implica diferenças de filosofia, bem como de prática, e para responder a esta questão de maneira satisfatória eu levaria dias! Deixe-me responder de forma concisa. Muitos japoneses praticantes de Reiki aprenderam Reiki na linhagem Takata. Um japonês que aprenda Reiki tradicional irá estabelecer um compromisso de vida trabalhando consigo próprio. Irá abraçar os Gokkai e integrá-los na sua vida. Ele irá praticar fazendo tratamentos diligentemente e irá perceber que aprende com cada um dos seus clientes. Vai manter uma “mente de principiante” em cada momento da sua vida e vai-se esforçar por realizar o seu potencial. Vai aprender a observar o processo de cura do corpo do cliente com as mãos, praticando a arte do Byosen. Ele sabe que a arte secreta da felicidade é viver uma vida de amor e compaixão misturada com consciência. Assim, as bênçãos que ele experimentar irão irradiar a partir do seu Ser e afectar todos os que o rodeiam.

Podemos esperar para breve novos livros seus traduzidos para português?

O meu livro mais recente — “ This is Reiki” – já foi traduzido para português do Brasil e deverá ser publicado em breve. Podem esperar passar alguns dias ou noites divertidos a lê-lo… trata-se da minha canção de amor ao Reiki e o culminar de todo o meu trabalho.

[box type=”info”] Frank Arjava Petter é um dos mestres de Reiki que mais tem contribuído para dar a conhecer ao Ocidente as verdadeiras raízes japonesas do Reiki. Autor de diversos livros sobre o assunto, tem dedicado a sua vida à pesquisa sobre a história do Reiki, mostrando uma simplicidade e capacidade motivadora única. Arjava viveu e trabalhou 12 anos no Japão. Actualmente vive na Ilha de Lesvos, Grécia, com a sua família. Ensina Reiki, meditação e Constelações Familiares a nível mundial.

[/box]

 


 

associacao_portuguesa_reiki_redondo_120 Descobre os conteúdos exclusivos para os associados no nosso site www.associacaoportuguesadereiki.com

 

(Visited 2.137 times, 1 visits today)