O voluntariado é uma ação necessária da sociedade para a sociedade, uma intervenção direta nos mais variados campos de ação, dentro das necessidades das várias comunidades e indivíduos, pelas mais diversas características.

Também na prática de Reiki temos uma profunda tradição de voluntariado, criada pelo próprio fundador do Método, Mikao Usui, após o grande terramoto de Kanto a 1 de Setembro de 1923, onde acorreu a milhares de pessoas.

Hoje em dia, temos o voluntariado presente em vários pontos do país e ilhas, promovendo o bem-estar da pessoa, quer sejam doentes oncológicos, seniores, pessoas com necessidades especiais, crianças e até mesmo animais.

Hoje e sempre, agradecemos de coração aos nossos voluntários, pela sua doação, carinho e prática de Reiki.

Testemunhos dos nossos voluntários

Ser voluntária é um compromisso que me enriquece como pessoa. Acredito que cada um de nós pode fazer a diferença neste nosso Mundo. Lindo sermos modelo e exemplo para os mais novos… como avó adoro ouvir os netos a dizerem que logo que possam querem fazer voluntariado. GRATIDÃO por este sentir, em que o Reiki tanto contribuiu.

Ana Lopes – Voluntária na sede da Associação Portuguesa de Reiki

Não precisarei de muitas palavras para descrever o que tenho sentido e aprendido, durante a minha experiência no voluntariado de Reiki. Pois resume-se a uma só palavra: “AMOR”. Amor esse, que incrivelmente, conseguimos sentir por pessoas que não conhecemos, mas que nos procuram, às vezes sem elas mesmas saberem porquê… Umas para terem a primeira experiência e nem sabem bem o que é o Reiki, outras para alívio das suas dores por doença crónica ou temporária, outras por se sentirem deprimidas, tristes ou com alguns sintomas de ansiedade… Mas, a maioria delas, seja qual for o motivo por que procuram o Reiki, no final da sessão, o que eu sinto é que no fundo, o que realmente procuram é o AMOR, o ACONCHEGO, o sentir alguém dizer: “EU ESTOU AQUI, PARA TI”, “EU ESTOU AQUI PARA TE OUVIR E TE SENTIR”… E não são os símbolos, as posições instituídas, ou não, onde se colocam as mãos, aquela técnica que aprendemos ou lê-mos em algum livro, que vai fazer com que aconteça essa magia que acontece no Reiki, essa energia de cura, de alívio, de paz e de amor, é sim, a intenção e o amor que sentimos e colocamos em tudo o que fazemos. Não querendo com isto dizer, que essas técnicas não façam sentido e não sejam funcionais, mas sinto que elas, por si só, podem não funcionar.
Por isso, aproveito para incentivar a todos os iniciados em Reiki, terem esta experiência de voluntariado de Reiki, sem receios e bloqueios por não se sentirem capazes ou por não terem experiência suficiente, pois basta agirem com o coração, nada mais é pedido do que isso… boa intenção e estar de coração. Não sei se tenho dado mais, do que o que tenho recebido, talvez esteja equilibrado, pois mesmo naqueles dias em que talvez não me sentisse nos melhores dias para dar Reiki, ao iniciar a sessão, essa sensação se dissipa completamente, como se recebesse essa procura de amor pela pessoa que está a receber, e por um instante durante o processo vou começando a sentir um Amor e um Carinho especial por aquela pessoa, e um Desejo que ela fique bem, sem saber muito bem de onde essa calorosa e reconfortante compaixão… Como é maravilhoso sentir isto, por alguém que simplesmente não me é nada… ou será que é?…
Estou, por isto, grata a todos os que se cruzaram neste caminho, e que ainda se irão cruzar.
Namasté

Susana Saavedra – Voluntária na sede da Associação Portuguesa de Reiki

Foi o voluntário que fiz durante mais tempo na mesma instituição (18 meses) na Cercimont. Eu acho que o voluntariado permitiu me deixar umas sementinhas de Reiki que se calhar não teria sido possível se não fosse nesse contexto. Amei fazer porque aprendi muito tomei ainda mais consciência do quanto o Reiki flui independentemente da natureza física ou mental da pessoa (não há limitação) e que ele se adapta completamente a cada necessidade pessoal. Tive o privilégio de poder assistir às várias maravilhosas transformações no ser humano fruto do Reiki. Namastê

Nina Leconte, voluntária na CERCIMONTE, coordenadora do núcleo de reiki de Montalegre

Sou voluntária há uma boa dezena de anos. Neste momento, há cerca de 4 anos, faço voluntariado na instituição acima referida. A minha doação serve para mim, como um aprendizado diário, uma realização pessoal, receber informação dos problemas das pessoas visadas, doando com todo o amor a energia e o amor incondicional que temos com a nossa filosofia de vida do Reiki. Aqui, na sua maioria são idosos, embora haja pessoas ainda relativamente novas, com todos os seus problemas. Sabe sempre bem, porque no final de cada sessão sentimos o nosso coração cheio e saímos dali com alegria.

Maria José Carvalho, voluntária no Centro Social Caminho de Bem Fazer, Montijo, coordenadora do núcleo de reiki do Montijo

Fazer voluntariado permitiu-me crescer enquanto pessoa, entender que enriquecemos muito mais quando damos do que quando recebemos. Fez-me perceber que a gratidão e alegria de quem recebe é igual à minha alegria por ser abençoado e poder partilhar Reiki com os utentes da SCMC, o voluntariado veio complementar uma lacuna que existia em mim tornando-me ainda mais grato todos os dias. Namastê

Francisco Santos, voluntário na Santa Casa da Misericórdia da Covilhã

Tornou-me um ser humano melhor , mais rico. É doar o que de melhor temos , de coraçao aberto. Amor ao outro

Eugênia Seabra, voluntária no EMAUS, Penafiel

O Reiki para mim, como filosofia de vida, trouxe-me toda uma alegria de viver, de renovação, o queimar as más lembranças do passado, foi o meu renascer para a vida.
Quando iniciei o voluntariado, há cerca de 3 anos, foi como um complemento de vida. levar a quem necessita toda a energia e amor incondicional que o Reiki nos dá, para transmitir aos outros um pouco da calma e da solidariedade no dia a dia, que todos nós necessitamos, além de recebermos também em troca todo o carinho de quem está connosco. No final sinto-me sempre cada vez mais completa na minha vida.

Maria Nazaré Antunes, voluntária no Centro Social Cantinho de Bem Fazer, Montijo

O voluntariado é essencial para a nossa evolução espiritual. Assim se vive intensamente o amor incondicional

Álvaro Gonçalves, voluntário no Centro Comunitário e de Dia da Junta de Freguesia de Moscavide e Portela , coordenador do núcleo de reiki de Moscavide

Iniciei o voluntariado na SPEM em Dez /2016 e no Centro de Dia em Moscavide, em out /2018. O voluntariado na SPEM é extremamente gratificante, porque apesar das limitações físicas das pessoas que se disponibilizam para receber Reiki, elas não têm qualquer limitação à demonstração do Amor e Gratidão sempre que recebem aquela Energia de Cura.
No Centro de Dia, também tem sido uma experiência muito gratificante, ver semana após semana, o entusiasmo, a alegria e a vontade das Senhoras utentes, em receberem Reiki e que no final de cada sessão de tratamento ficam sempre muito calmas, em paz e reconfortadas para mais uma semana (dizem elas!)
Quer seja na SPEM ou no Centro de Dia, fico sempre de “coração muito cheio” porque é indescritível ver as expressões naqueles maravilhosos rostos sempre muito gratos e amorosos!
É o Amor!!

Graça Maranho, voluntária na SPEM e Centro de Dia Social e Comunitário da Junta Freguesia de Moscavide e Portela

Desde que iniciei o voluntariado de Keiki, para além de ajudar os outros,também me fez enriquecer como pessoa. Sinto-me bem a ajudar os outros, contribuindo assim para um mundo mais justo e solidário,sou muito feliz a fazê-lo. Sinto-me grata por puder fazer voluntariado.

Anabela Jesus, voluntária no Núcleo de Reiki Penafiel. JFP. JFB

A minha experiência de voluntariado começou com o Núcleo de Reiki de Santo Tirso e um projeto com seniores. Posteriormente, e agora já com o Núcleo de Alfena, continuei e continuo com um projeto sénior. Sempre me perguntei que teria eu para “ensinar” a pessoas com uma vivência muito maior do que a minha. Para além do Reiki, os 5 princípios não podem faltar no atendimento e tem sido muito enriquecedor ver como as pessoas reagem, os adotam, começam a percebê-los e introduzi-los na sua vivência diária. Quando se poderia pensar que as pessoas nesta idade estariam numa fase mais calma da sua vida, muitas vezes as questões de saúde e as preocupações com filhos e netos são uma constante. Tenho notado que o Reiki e os cinco princípios fazem uma diferença grande na vida destas pessoas, levando-as a compreender e alterar a sua postura perante as suas dificuldades. A nossa doação enquanto voluntários é importante não só em termos daquilo que lhes podemos ensinar, mas também por estas pessoas saberem que, por alguns minutos, alguém está ali para tratar delas, para lhes dar atenção, para terem uns momentos que são só delas e lhes dar uma palavra amiga.
Não sei se sou eu que ensino ou se sou ensinada. Tenho aprendido tanto ao longo destes anos: formas de estar, vivências, usos e costumes, histórias e estórias e perceber que os nossos seniores são fontes inesgotáveis de conhecimento. O ano passado pelo Natal fizemos uma partilha de “avós emprestados” com um grupo de jovens e foi fantástico perceber como as pessoas de mais idade se sentiram importantes por terem vivências para contar aos mais novos. Engane-se quem pensa que estar na terceira idade não tem qualquer utilidade. O voluntariado possibilitou a existência de uma atividade diferente para todos, beneficiando jovens e menos jovens. Foi delicioso.
É delicioso também ouvir coisas como: “o Santo Reiki” e “não importa o que dizem, eu é que sei que me faz bem”. São estas situações que me tornam uma pessoa mais rica, pois posso aprender com cada pessoa a sua própria forma de perceber, interiorizar e até de simplificar o Reiki e vai muito além daquilo que pode ser aprendido nos livros. É bonito perceber que não há erros de terminologia mesmo que não chamam as coisas pelo nome correto, não há preocupações relativamente ao que os outros dizem, não há medo de experimentar e vivenciar, e, no fim, conseguimos ajudar as pessoas.
É esta dualidade de viverem com alguns problemas mas por outro lado conseguirem simplificar a visão de outros assuntos que, sem dúvida, sei que recebo muito mais do que aquilo que dou.
Haveria muito mais a dizer mas quero apenas terminar dizendo que sou grata ao programa de voluntariado da Associação Portuguesa de Reiki, ao Reiki e às “minhas meninas” que me “aturam” todas as segundas de manhã por me ter possibilitado este crescimento, enquanto pessoa e terapeuta.
Só por hoje sou grata.

Carla Sousa, voluntária na Plataforma Solidária de Alfena, coordenadora do núcleo de reiki de Alfena

O voluntariado é importante, porque é uma ação solidária para com o próximo.
Para mim é uma dádiva fundamental para alegria, e um sentimento de agradecimento de coisas boas que o Universo me proporciona.
Na minha vida trouxe me pensamentos positivos (O Mundo é grande e muitas coisas ainda precisam de ser resolvidas.)

Dália Rocha, voluntária no Centro de Dia de Moscavide

O Voluntariado e sempre muito compensador.

Maria Luisa Lima, voluntária no Centro de Dia de Moscavide

Cura para a minha doença oncológica, partilha de bem estar com os outros, reconhecimento da vida amorosa do ser humano….

Sandra Pinto, voluntária na LIGA PORTUGUESA CONTRA O CANCRO EM BRAGA

A minha doação dá-me felicidade de partilhar o amor incondicional com àqueles que precisam de afectos e carinho.

Raquel Raminho, voluntária na SPEM

O voluntariado desperta em mim a satisfação do bem fazer a alguém de mofo incondicional. Neste caso específico, representa a doação de amor em modo de partilha e compaixão a seniores.

Vanda Jacinto, voluntária na Associação Caminho do Bem Fazer, coordenadora do núcleo de reiki do Montijo

Sendo o Reiki uma terapia energética, na minha ótica sinto que é uma energia de compaixão, ou seja, a compaixão de Deus para com Todos nós, deixada pelos Divinos Mestres Ascencionados, temos todos igual direito de sentir/familiarizar-nos com esta energia e o voluntariado para mim é poder dar a conhecer/presentear/apresentar/ desmistificar/ fazer chegar mais o Reiki e a sua filosofia aos outros que procuram e chegam ate nós voluntários, no meu caso na APR (Associação Portuguesa de Reiki), ser “condutor/canal/ki de energia reiki” faz com que eu me envolva/familiarize cada vez mais, faz-me entender/compreender, ser mais sensível e querer sentir a energia na íntegra, porque para mim o Reiki ajuda-nos também a potencializar o nosso trilho/caminho/dharma do despertar Interior.

Então basicamente é por estas razões/motivos que me tornei e sou voluntária desde o ano passado e sou grata a Deus, ao meu Eu muito Sutil, à Associação, aos voluntários como eu e às pessoas que recorrem/chegam até nós voluntários, para conhecerem/experienciarem o que é Reiki, porque Reiki é realmente um método tão simples e tão prazeroso/relaxante de se sentir, eu sinto e acho que é ótimo e nobre na nossa jornada enquanto Seres Humanos sermos voluntários “condutores/canais/kis de energia reiki”pelo menos uma vez por mês, é importante relembrar que “dar/partilhar” aos outros é “dar/partilhar” a nós próprios já diziam os grandes Mestres Espirituais e pessoas Sábias, ganhamos muitos méritos, porque o importante é fazer chegar o Reiki com a atitude correta, postura correta, compreensão correta, Reiki é Reiki.

Reiki faz-me sentir…sentir estados emocionais de Amor, Compaixão, Gratidão, Compreensão, Equilíbrio energético, Tolerância,Carinho, Empatia…e mto mto mais, para isso na minha ótica basta estarmos receptivos/de Coração aberto com muita positividade dentro dele e na nossa mente. Gratidão,Paz, luz mto Reiki para nós Todos.

Marta Melo, voluntário na sede da Associação Portuguesa de Reiki

Iniciei a minha prática como voluntária em finais de 2016, na SPEM – Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla, onde permaneci até meados de 2018, altura em que passei para o Centro de Dia Social e Comunitário da Junta de Freguesia de Moscavide e Portela.
Enquanto na SPEM a experiência foi bastante desafiante não só porque estava a iniciar esta prática, tinha na altura o 2º nível de Reiki, como também pelas características dos utentes (patologia associada, diferentes fases da doença, na sua generalidade em cadeiras de rodas), o que implicou a adaptação de posturas de mãos e de técnicas.
Mas foi também para mim muito gratificante aperceber-me no decorrer das sessões da evolução de alguns dos pacientes, principalmente a nível emocional e de bem-estar.

Decorridos estes 3 anos de prática de voluntariado nestas duas Instituições, e em jeito de balanço, posso dizer que têm sido experiências que me têm enriquecido interiormente, que me têm ajudado a evoluir e a amadurecer espiritualmente e a aumentar a minha conexão com a energia Reiki.

E por isso sou grata por me ser concedida a possibilidade de a par do meu enriquecimento interior poder contribuir para o bem-estar de cada utente que participa nas sessões, recebendo a alegria e gratidão que me é demonstrada após cada sessão, através de um olhar, um abraço ou um gesto de carinho.

Lurdes Fonseca, voluntária no Centro de Dia Social e Comunitário da Junta de Freguesia de Moscavide e Portela

Dou o que tenho e recebo em troca uma experiência inexplicável. Amor, gratidão, sentimento de utilidade.

Gabriel Ferreira, voluntário no Núcleo reiki Penafiel; junta freguesia de Penafiel; mafagafinhos;

Uma maior noção de compromisso . Necessidade de acção concreta na promoção do bem estar físico e anímico de quem mais necessita.

Maria José Marques, SPEM

Sou praticante de Reiki há uns anos, mas apenas há cerca de três, que faço voluntariado.
Sinto neste trabalho uma alegria enorme quando estou a interagir com as pessoas, neste caso aqui são idosos, com todos os seus problemas. mas a nossa energia e amor do Reiki é-lhes transmitido, pelo que me sinto extremamente feliz e realizada quando regresso a casa.

Orlanda Capitão, voluntária na SPEM

Faço Voluntariado de Reiki há três anos e tem sido maravilhoso e muito gratificante.
Aprendemos a desenvolver o amor incondicional, o prazer de dar sem condições e sem olharmos a quem. Aprendemos com esta partilha a sentirmo-nos gratos ao receber um sorriso e um abraço. Quando venho voluntariado, sinto-me com mais energia, com mais amor próprio e com vontade de viver, de fazer mais pelo mundo.

Dulce Dias, voluntária no Centro comunitário e de Dia de Moscavide e SPEM Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla, coordenadora do Núcleo de Reiki de Moscavide

Doar reiki é oferecer carinho e amor acima de tudo. Um aconchego na alma de parte a parte. Recebemos muito mais do que o que doamos.

Joana Cavaco, voluntária na Associação Caminho do Bem Fazer

É com uma grande satisfação que reservo um dia para fazer voluntariado junto da população do bonfim/ porto. É um voluntáriado aberto a população residente naquela área. Já lá estou a um ano e é extremamente importante este protocolo entre APR e a junta do Bonfim, pois combate o isolamento da população envelhecida nesta área.
É muito gratificante o que aprendemos nos dias de voluntariado, praticamos a compaixão. O coração fica preenchido de tal grandeza que não existem palavras para descrever.
Ser voluntário é uma aprendizagem constante.

Bruno Dias, voluntário na Junta de Freguesia do Bonfim, coordenador de Ermesinde

O Voluntariado Reiki em Animais em Abrigos e a Animais de companhia resgatados de situações de risco, tem-me dado a oportunidade de viver experiências lindíssimas, que me emocionam há mais de 5 anos.
A aplicação de Reiki a Animais tem inúmeros benefícios, mas o que eles me dão enquanto pessoa é muito mais do que alguma vez conseguirei traduzir em palavras.
Apesar de muitos deles terem passados difíceis, abrem o seu coração e confiam que estou ali para lhes fazer bem.
Acredito que é esta recetividade que faz com que a aplicação de Reiki a Animais seja tão poderosa e eficaz, traduzindo-se em resultados muito positivos.
Este voluntariado trouxe à superfície situações que careciam ser identificadas, compreendidas e tratadas dentro de mim.
Desenvolveu ainda qualidades como a paciência, a humildade e a tolerância, tornando-me sem dúvida uma pessoa melhor.

Fátima Cunha Velho, voluntária em Vários Abrigos de Animais

A realização do voluntariado no Lar da Santa Casa de Misericórdia da Covilhã tem sido uma oportunidade excepcional para a prática do Reiki e da solidariedade. O trabalho voluntário baseia-se nos cinco princípios do Reiki e visa melhorar a vida dos utentes que vivem no Lar, de modo a promover um estado harmonioso e saudável dessas pessoas, tanto nas dimensões física, emocional e mental, quanto energética. Além disso, em cada sessão tenho a possibilidade de praticar a doação, com vista ao meu crescimento pessoal. Como estrangeira, sinto-me fortalecida a casa semana, tendo a oportunidade de retribuir com a cidade que me acolhe tão bem. Para mim, o voluntariado em Reiki através do Núcleo da Covilhã é acima de tudo uma oportunidade para partilhar e receber energia divina de amor incondicional!
Namasté

Mónica Santos, voluntária na Santa Casa da Misericórdia da Covilhã

Ser voluntária é crescimento, compromisso, aprendizagem, alegria, ajuda, sentimento de partilha, aliviar de alguma forma sofrimentos e melhorar qualidades de vida. Saber que faço a diferença na vida dos outros. Colaborar para o bem comum preenche-me e realiza-me enquanto pessoa.

Isabel Couto, voluntária na Casa do Alecrim

É um privilégio poder constar a diminuição do sofrimento dos nossos utentes, quer seja ele físico ou emocional com o Reiki. No final de cada tratamento assistimos muitas vezes a sorrisos que retribuem toda a nossa compaixão!

Cláudia Santos, voluntária na sede da Associação Portuguesa de Reiki

Ser praticante em voluntariado de Reiki ajudou a solidificar os meus conhecimentos mas também me auxiliou a saber quem sou. Todos os sentimentos que senti ao longo deste este tempo foram muito enriquecedores, apesar de nem todas as sensações terem sido de alegria! Fui descobrindo uma parte de mim, que talvez estivesse um pouco adormecida. Ser voluntária e ajudar foi sempre algo com que sonhei, e assim sendo, este voluntariado fez-me sentir que estou a cumprir a minha missão, o que me deixa muito feliz.

A vida é uma caminhada de aprendizagem… e o reiki é a energia que me fez e faz “caminhar”.

Sónia Morais, voluntária núcleo de Reiki de Penafiel

Voluntariado para mim, no Reiki, é a disponibilidade de doar, amor incondicional, a qualquer pessoa ou outro ser vivo, sem esperar nada, sem expetativa. Pode ser presencial, ou a distância, a pedido ou sermos nós a oferecer. Também é possível doarmos em situações em situações de crise. Com a intenção do Bem supremo, harmonia, enviamos através dos olhos ou do terceiro olho, por exemplo a uma criança que faz uma birra em público, aos pais que estão a perder o controle, etc. A doação tem implícito o máximo respeito pelo ser a que se destina. Abraço

Graça Duarte, voluntária núcleo de Reiki de Penafiel

Desde que iniciei o voluntariado de reiki, para além de ajudar os outros, também me fez enriquecer como pessoa. Sinto-me bem a ajudar os outros, contribuindo assim para um mundo mais justo e solidário, sou muito feliz a fazê-lo. Sinto-me grata por puder fazer voluntariado.

Anabela de Jesus, voluntária no núcleo de Reiki de Penafiel

Antes de mais sou grata à vida que me ofereceu o Reiki que tanto me tem ajudado.
Sei que o meu contributo é pequeno mas fico  feliz por poder minimizar o sofrimento daqueles que nos procuram .

Manuela Jorge, voluntária na SPEM

 


 

associacao_portuguesa_reiki_redondo_120 Descobre os conteúdos exclusivos para os associados no nosso site www.associacaoportuguesadereiki.com

 

(Visited 473 times, 1 visits today)