No dia 18 de Março, foi decretado em Portugal, o Estado de Emergência Nacional, que se traduziu na implementação de algumas medidas para tentar reduzir o risco de contágio da doença COVID-19.

Nesta fase de isolamento social em que estamos recolhidos com as nossas famílias, incluem-se também os nossos animais de companhia.

Estes animais são companhias maravilhosas, mas nesta altura, em que a maioria das pessoas se encontra em casa, quer estejam a trabalhar ou não, são um apoio fabuloso.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, o Covid-19 provocado pelo vírus SARS-COV2, não infecta nem é transmitido por estes Animais.

Contudo, devido à situação de perigo de contágio em que vivemos, é necessário ter agora alguns cuidados acrescidos, nomeadamente quando vamos passear os nossos cães.

Assim, devemos escolher locais com pouca gente e não esquecer de levar os saquinhos higiénicos para limpar os dejetos, depositando-os depois nos locais apropriados.

Ao voltarmos para casa, devemos descalçar o calçado que utilizámos para ir passear e limpar as patinhas e o pelo dos nossos animais, utilizando toalhita. Depois, lavar bem as mãos com água e sabão no mínimo 20 segundos.

Para mais informações poderão consultar os vossos veterinários ou recolher alguma informação que circula na internet.

No caso (e esperemos que não aconteça) de sermos infetados pelo vírus, teremos obrigatoriamente de permanecer em casa de quarentena, não podendo continuar a realizar esses passeios. Nesse caso, o melhor será pedir a um familiar/amigo ou a um serviço especializado para o fazer.

Nesta fase, em que muitos animais se encontram em casa com as suas famílias, é provável que muitos deles absorvam emoções menos positivas, já que é natural que as pessoas estejam mais tensas e assustadas.

Assim, se formos praticantes de Reiki, deveremos contemplar a sua aplicação aos nossos animais e se tivermos o 2º Nível, poderemos ainda enviar Reiki a todos os Animais de Companhia nas mesmas circunstâncias.

Muitos destes Animais que foram abandonados, negligenciados e maltratados encontram-se acolhidos em Abrigos, onde os seus responsáveis e voluntários continuam a assegurar a sua alimentação e cuidados de limpeza.

Algumas destas pessoas, continuam ainda a assegurar a alimentação de matilhas de cães e colónias de gatos que vivem na rua, por não haver capacidade para os acolher em Abrigos e Canis/Gatis Municipais.

Estas pessoas são indispensáveis para que muitos e muitos animais de ninguém possam ser alimentados e tratados. Algumas delas, acumulam simultaneamente o auxílio a Abrigos e estes Animais de Rua, sendo dezenas os animais que ajudam diariamente.

A estas pessoas, também poderemos enviar Reiki para que continuem a desempenhar estas tarefas tão importantes.

Para finalizar, espero que nesta fase, sejamos capazes de olhar e cuidar de nós, das nossas famílias, mas também do Próximo, independentemente da espécie.

Só por hoje, confio que seremos capazes !

Fátima Cunha Velho

(Voluntária e Formadora de Reiki em Animais)