Vera Lobo é natural de Guimarães, Agrónoma e também praticante de Reiki, além do interesse que tem pela Cristaloterapia, Ho’Oponopono, Karuna e ainda vários retiros. Em 2020, foi a primeira associada da Associação Portuguesa de Reiki. Queremos agradecer-lhe fazendo uma pequena entrevista, para que partilhe connosco a sua vivência e sonhos para futuro com a prática de Reiki.

Entrevista à primeira associada de 2020

Como tem sido o teu percurso na prática de Reiki?
Desde que me iniciei no Reiki, nunca mais parei e tem sido um percurso gradual. Posso dizer que descobrir o Reiki foi a melhor coisa que me aconteceu na vida, pois senti verdadeiramente que nasci de novo, com a oportunidade de ver a vida de uma outra forma e com outra consciência.
Tem sido um percurso intenso, marcante e maravilhoso. Intenso porque nos deparamos com muitas questões para trabalhar e enfrentar; Marcante, porque marca para sempre um período da nossa vida e maravilhoso porque ganhamos consciência de quem somos, descobrimos a nossa essência e também porque nos ilumina na nossa missão de vida. É uma prática para toda a vida, que deve ser experienciada dia após dia.

O que consideras que te trouxe de benefícios?
O Reiki traz-nos benefícios em todos os níveis, ou seja, benefícios físicos, mentais, emocionais e espirituais.
Sinto-me fisicamente diferente, mais liberta e tudo interiormente funciona melhor; A nível emocional, foi uma transformação brutal. Sou uma pessoa muito mais calma, ponderada e alegre; A nível mental houve também uma grande mudança. Penso de uma forma mais positiva e aprendemos de que forma podemos trabalhar os nossos pensamentos; A nível espiritual, ganhei consciência e percepção do que poderá estar por detrás da pessoa que eu era anteriormente ao Reiki e que não quero voltar a ser. Na passagem do primeiro para o segundo nível, existe uma frase que a mentalizo e a costumo pronunciar várias vezes para mim: Não há nada nem ninguém que me vá impedir se seguir o meu caminho e de ser quem eu sou.
Ao conseguirmos toda esta mudança, que requer dedicação e foco no que realmente queremos da vida, conseguimos ser melhores pessoas e como consequência, darmos aos outros, á família e aos amigos o que de melhor temos.
Com o Reiki tudo fica diferente e para muito melhor.

Tens aplicado Reiki a outras pessoas ou animais? Partilha connosco uma experiência.

Sim. Quando me iniciei, fazia voluntariado uma vez por mês no Porto no Espaço da minha mestre. Atualmente faço voluntariado no CENIF: nos Sábados voluntários (1 vez por mês), cheguei a fazer também a crianças, faço sempre que possível no Hospital de Reiki Itinerante, faço parte do voluntariado a animais do canil municipal de Guimarães (á distância) e estava inscrita em outros projetos de voluntariado, mas que ficaram suspensos por causa da Pandemia actual.
Faço também a alguns familiares e amigos, de forma presencial e á distância.

Fazer voluntariado é uma experiência que todo o praticante de Reiki deveria ter. O olhar de descoberta e gratidão que vemos nas pessoas que recebem, não tem preço. É muito gratificante e traz-nos a oportunidade de aprendermos e ganharmos experiência. Sinto-me sempre de coração cheio.

Fazer Reiki a animais é outra experiência fantástica. Os animais despertam em nós outra sensibilidade.

O que te levou a tornares-te associada da Associação Portuguesa de Reiki?

Sendo eu uma apaixonada pela Terapia Reiki e havendo uma associação que nos ajuda e orienta na nossa prática, quer pessoal quer profissional, acho que faz todo o sentido nos associarmos, além do que conhecemos outras pessoas  e temos benefícios na organização de eventos.
Não me tornei associada logo que me iniciei no Reiki, porque o conhecimento e sensibilidade é diferente e também por ir adiando sem motivo aparente.

Achas importante todos trabalharmos em conjunto, dentro da diversidade para um objetivo comum?

Claro que sim. A partilha é um ato de humildade e sabedoria. Fazemos parte de um todo. Sozinhos, não somos nada e não chegamos a lado a nenhum.

Qual o teu sonho com a tua prática de Reiki?

Um dos meus sonhos, e foi o que me fez iniciar o curso do Gokukaiden, é vir a ser mestre de Reiki de outros que ambicionam encontrar também o seu caminho e a sua luz.

E como achas que Reiki estará daqui a 10 anos em Portugal?
O Reiki atualmente ainda não é muito aceite pela sociedade e também por determinadas instituições ( escolas, hospitais, lares,…), pois na minha opinião, ainda não está muito claro o que é realmente o Reiki e os benefícios que pode trazer para a vida das pessoas.
Assim sendo, espero que daqui a 10 anos, o Reiki tenha uma projeção e aceitação muito maior a nível mundial, principalmente no nosso país e principalmente por aqueles que ainda duvidam da eficácia desta terapia a nível holístico.
Espero que hajam muitos mais praticantes de Reiki Honestos para que a execução e transmissão desta técnica seja o mais profissional possível, pois muitas das duvidas e incertezas que existem atualmente, também se devem ao facto de haverem pessoas que se dizem praticantes de Reiki e não o são verdadeiramente.
Eu acredito no crescimento da Terapia Reiki, acredito no poder de cura do Reiki a todos os níveis e acredito que teremos uma sociedade muito mais consciente para as coisas simples da vida.

Muito obrigada por esta oportunidade de partilha.
Vera Lobo